Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Rapariga na Aldeia

A Rapariga na Aldeia

Vida em Quarentena

Ainda não engordei uma grama à custa desta quarentena mas ainda tenho esperança que tal venha a acontecer pois não sei durante quanto tempo é que vou continuar com esta vida de merda isolamento. Em boa verdade, nunca, em circunstância alguma, tendo a enfiar-me na cozinha e a inventar receitas com o que tenho em casa mas, tudo me leva a crer que num futuro próximo eu tenha de fazer como todos vocês ... bolos e pão! Até lá, permitam-me resistir. Ainda não consegui "marikonar" gavetas e armários porque, efetivamente, continuo sem tempo. Em regime de teletrabalho e com filhos no 2º e 3º ciclos ter tempo é coisa para outras núpcias e, acreditem, as gavetas podem esperar por melhores dias tal como o exercício físico!

 

Os meus grupos de whatsapp estão com uma atividade nunca antes alcançada. Escusado será dizer que o tema dominante é a COVID-19, sendo que até há umas semanas o tema de um dos grupos era uma viagem que tínhamos marcada a ... Itália, o epicentro da epidemia! Acertámos na mouche! Claro que não fomos, ficámos em terra, concretamente na aldeia, enfiadas em casa! No meu e-mail o mesmo cenário caótico. Os professores enviam trabalhos e mais trabalhinhos e apresentações em powerpoint e páginas e mais páginas para ler e exercícios para resolver .... E sabem quem é que veio hoje dizer que está a atingir um cansaço extremo com isto das aulas à distância, sabem? os professores! os coitados dos professores! a sério? querem comparar-se a quem? a médicos e enfermeiros? Uma palavra para os professores (especialmente para aqueles que não querem ser avaliados): fiquem em casa meus queridos, lavem as mãos com água e sabão e já agora ... manquem-se! Este não é o vosso momento. 

 

Portanto, é o que posso adiantar sobre esta triste e desagradável quarentena. Sinto-me fraca a apurar os pontos positivos do confinamento a que estou "obrigada". Não lhe vejo um fim. Nem muito menos um "vai ficar tudo bem". Questiono-me quando é que isto vai passar? Será que vai? Em que moldes vamos todos voltar a "bater perna", a conviver, a conversar, a festejar? A nossa vida vai voltar a ser como era? As crianças vão voltar a conviver umas com as outras? Durante quanto tempo iremos manter-nos em isolamento, com a vida social pausada? Durante quanto tempo vamos olhar para os outros de lado e achar que estão a passar-nos o vírus? Durante quanto tempo vamos ser responsáveis e ficar em casa? E pergunto-me, repetidamente, quem será que vou perder para a merda da COVID-19? 

 

Muitas dúvidas e poucas certezas. Assim estou eu. 

IMG_4035.jpg

A Blogger:

Cátia Santos catiafsantos@hotmail.com

Segue-me:

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D