Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Rapariga na Aldeia

A Rapariga na Aldeia

Uma Macaca na Cidade (43)

DA (FALTA DE) EMPATIA…

thumbnail_e75c08a1175114bdc55d831db6bdcdde.jpg

Tenho sido, amiúde, confrontada com situações várias, que expõem a nu o crescente umbiguismo da sociedade e a tendência preocupante para uma cada vez mais gritante falta de empatia das pessoas.

 

Para mim, é um dos grandes “cancros” da sociedade atual: esta falta de empatia, a incapacidade de “nos pormos nos sapatos dos outros (numa tradução à letra do inglês)”, o acharmos que só acontece aos outros, o não sermos capazes de olhar para além do nosso próprio umbigo.

 

Ora aqui está um tema passível de explorar pela dicotomia cidade/aldeia… Porque é evidente que o estilo de vida nas grandes urbes potencia este tipo de comportamento, ao contrário do espírito que (por enquanto!) ainda se vive nas aldeias. Porém, não pretendo cingir a reflexão a esta dicotomia, nem sequer ao âmbito nacional. Isto porque acredito, que muitos dos males do mundo em que hoje vivemos advém desta falta de empatia. Assim de repente, há um nome que me vem à cabeça e que é o paradigma da realidade que vos descrevo: Donald Trump! Com a agravante de que se trata do líder de um dos mais poderosos países do mundo…

 

Mas a falta de empatia está nos mais pequenos gestos do dia-a-dia e há tempos deparei-me com um episódio que mexeu particularmente comigo. Passo a relatar: seguia no autocarro que apanho todos os dias quando um passageiro começou (por razões que desconheço) a trocar impropérios com a condutora. Esta enervou-se de tal maneira (e também não poupou no vernáculo!) que parou o autocarro na paragem mais próxima, saiu do autocarro, afastou-se descontrolada e a chorar, enquanto ligava para alguém do seu telemóvel. Dentro do autocarro, as pessoas bufavam e olhavam para o relógio, reclamavam “que era inadmissível” e chamavam “maluca” à condutora da Carris. Seria eu a única a ver na senhora uma pessoa agredida, extremamente nervosa, a precisar de ajuda e sem condições para continuar a fazer o seu trabalho naquele momento? Parece que sim… Afinal, fui a única que se dirigiu à motorista e lhe perguntou se precisava de algo, o que deveríamos fazer visto que ela não iria continuar o percurso… Aguardar pelo próximo autocarro. Pois assim fizemos… Eu fi-lo em silêncio, mas houve quem preferisse continuar a criticar a conduta daquela profissional e a ofendê-la porquê? Por causa de uns minutos de atraso? Porque #somostodospassageiros e ´bora lá ser todos contra esses malvados que conduzem os autocarros em Lisboa? Ou só porque sim?

 

Não consigo entender… A sério que não…

roupa-para-bebs-na-fantasia-de-macaco-g-18919-MLB2

1 comentário

Comentar post

A Blogger

Sigam-me

Follow my blog with Bloglovin Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D