Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Rapariga na Aldeia

A Rapariga na Aldeia

Cera nos Ouvidos

Completa(MENTE) escrito por Sónia Vaz

 

Há dois dias fui buscar os meus filhos à escola, rotina habitual para muitos, mas raríssima para nós, pelo que estávamos os três algo elétricos com o acontecimento. Bem, todos menos um, o Duarte, que trazia (mais) um recado na caderneta.

 

Decorriam as apresentações dos projetos de inglês, e o meu filho – que literalmente nunca se cala – sempre que não entendia alguma coisa do que se estava a passar comentava com um colega (que por acaso era o teu, Cátia). Ao que parece, a professora já o tinha avisado diversas vezes e começava a ficar sem paciência. Mas a gota de água foi quando a senhora olhou para o Duarte e ele tinha uma das mãos no ouvido. Automaticamente pensou que ele estava a gozar com os colegas e a tapar os ouvidos para não ouvir o que estes diziam. Por sua vez, o Duarte estava com comichão porque tinha cera e estava a tentar tirá-la. Não entendeu portanto, o que se passou a seguir.

62607541_455132845056511_3198104408915181568_n.jpg

 

Vinha muito abalado, a chorar. Claro, aquela alminha precisa de falar e não lhe foi dada a hipótese de se justificar. Ninguém, para além dele sabe se disse a verdade, é certo. Mas porque será que assumimos sempre que as crianças estão a mentir? Acredito que se não os validarmos, vão acabar por desistir de falar, de se explicar, o que a longo prazo lhes poderá trazer muitos dissabores nas suas relações interpessoais. Respondi à professora. Pedi-lhe apenas que o ouvisse, se assim o entendesse.

 

No dia seguinte, estava eu na escola, a preparar as apresentações orais de inglês com os meus alunos. Enquanto ajudava um dos grupos ouvi o som de uma bola a driblar na sala. Fui direta ao menino que estava a brincar e sem pensar, pedi-lhe que parasse imediatamente pois não podia estar a brincar com a bola na sala. Ele nem me respondeu. Olhou para mim aflito e parou logo. Mas um colega veio em sua defesa e disse-me que estavam apenas a treinar para a apresentação. Caiu-me a ficha. Agora era eu que estava a fazer o que tinha condenado na professora do meu filho. Pedi desculpas ao meu aluno. E fiquei a sentir-me tão mal.

 

Porque é que não me explicaste, perguntei-lhe? Ter-te-ia ouvido. Claro, teria sempre ralhado primeiro, porque agi por impulso e não percebi o que estava a acontecer. Mas quando me esclareceram não julguei e não parti do princípio que me estavam a mentir. Nesse momento, senti que a minha relação com esse meu aluno, passara a ser uma relação melhor e de mais confiança. Senti-me crescer. Não foi isso, que definitivamente, se passou com o meu filho, mas há aqui outra questão importante a ter em conta. O Duarte é um miúdo reativo. Enquanto eu teria preferido que o meu aluno falasse, a professora dele só queria que ele se calasse. Todos nós gostamos de coisas e pessoas diferentes, claro. Mas quer enquanto pais, quer enquanto professores, penso que uma coisa tem de estar muito bem definida dentro de nós: nós é que somos os adultos daquela relação, e por isso, temos a responsabilidade acrescida de não fazermos birras e agirmos como tal.

 

Como podemos querer que os nossos filhos e alunos nos ouçam se não é esse o exemplo que lhes damos? Quantas vezes os ouvimos? Mas ouvimos mesmo? Sem pressa para dar a matéria? Sem pressa para fazer o jantar? Quantas vezes, ouvimos realmente alguém? Se estamos tomar café com uma pessoa e a trocar mensagens com outra? Se estamos a falar ao telefone e a pôr a mesa ao mesmo tempo? Ouvir alguém a sério é talvez uma das coisas mais difíceis de se fazer. Principalmente para uma faladora, como eu. Mas treina-se. Com consciência, com amor, com empatia.

 

Naquele dia, não era só o Duarte que tinha cera nos ouvidos. Temos todos, sempre, demais.

 

P.S. 1 – Por favor, não usem cotonetes de plástico!

P.S. 2 – Hoje, na feira do livro, comprei um livro sobre empatia – parece que esta sim, ajuda na limpeza dos ouvidos!

 

Sónia Vaz

Professora de Inglês (1º Ciclo)

 

 

A Blogger:

Cátia Santos catiafsantos@hotmail.com

Segue-me:

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D