Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Rapariga na Aldeia

A Rapariga na Aldeia

Boas Férias 😍

Durante este querido mês de Agosto, vou estar mais assídua aqui no instagram, pelo que façam o favor de por lá ir passando! Este computador vai estar em repouso durante uns dias, já a minha cabeça nem por isso, que isto de ter duas crianças é sinónimo de alerta constante, principalmente na praia. 

 

Por estes dias o pai junta-se a nós e, para eles, os mergulhos a quatro têm mesmo outro sabor, independentemente do sítio que escolhermos para o fazer. Assim sendo, vamos ter quatro cabeças a pensar em programas e atividades que a todos satisfaçam. Missão quase impossível mas enfim, cá vamos, ano após ano, aperfeiçoando a técnica de agradar um bocadinho a todos! Há sempre um (normalmente o mais novo) contrariado e a achar que conspiramos contra ele, contra as férias dele!! Nada que um jogo de raquetes ou uma bola de berlim não resolva. Para tudo isto, nós, os pais, precisamos de estar ágeis em vez de nos atirarmos para a sombra, a fingirmo-nos de mortos, enquanto dormimos uma merecida sesta na praia!

 

Pois ... não dá, não dá! 😍😍

DSC03594.jpg

 

Desejo uma ótimas férias a todos os que por aqui me seguem. 😍

Aproveitem para descansar, carregar baterias, ler, namorar e ... isso mesmo! 😘

 

    Sigam o blogue no facebook AQUI e no instagram AQUI (@arapariganaaldeia) 

Terra há (MESMO) só Uma

Completa(MENTE) escrito por Sónia Vaz 

 

Férias. Enfim as desejadas férias de verão. Tempo de carregar baterias, ir a banhos, jantar ao ar livre, ficar na praia até ao pôr-do-sol. Mas ainda assim, tempo de continuarmos a respeitar a nossa missão enquanto cidadãos do mundo, de não nos despedirmos dos nossos valores, de não nos esquecermos que existem bens maiores e que, às vezes, mesmo em tempo de nada fazer temos mesmo que nos chatear.

 

Estou no Algarve com a minha família. Um dia destes vinha na rua com a minha irmã e estava um grupo de quatro adolescentes a passar. Um deles tinha uma garrafa de vidro na mão e estava a ‘enterrá-la’ num arbusto. Os outros, em tom de gozo, diziam-lhe: “Tens um vidrão mesmo aqui à frente, não me digas que vais deixar a garrafa aí!”

rubbish-1576990_960_720.jpg(Créditos: Pixabay

 

O meu sangue ferveu, mas sabia que se falasse naquele momento, por estar tão aborrecida não ia conseguir o que queria. Respirei. Andei para trás no tempo.

 

A Blogger:

Cátia Santos catiafsantos@hotmail.com

Segue-me:

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D