Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Rapariga na Aldeia

A Rapariga na Aldeia

Tempo. Esse bem tão escasso

Para além da falta de outras coisas, é comum, nas nossas vidas, lamentos sobre a "falta de tempo". Sim, minha gente, também pensei em falta de dinheiro, mas é mais fácil conseguir ter tempo do que dinheiro. 

Muitas vezes, tendemos a justificar os nossos falhanços em diversas áreas com a popular "falta de tempo". Não o encaramos como tal, precisamente porque nos abrigamos debaixo desse toldo que serve para muitas desculpas. Quem nunca o fez? Quem nunca disse "não tive tempo" ou "não tenho tempo para essas coisas". 

Confesso que "não tenho tempo" para fazer desporto.  No fundo, o que me falta é motivação. Sei disso melhor do que ninguém mas a "falta de tempo" vai servindo para adiar essa decisão de pôr o corpo a mexer. 

 

Aaaaiii, o tempo. O tempo. Esse bem tão precioso!! 

 

No meu caso, consigo com que a "falta de tempo", seja motivo para me esquivar a uma série de coisas chatas e penosas, para as quais não tenho a mínima paciência. Estou a lembrar-me de duas ou três do top ten: engomar a roupa; preparar uma refeição mais elaborada que implique desmontar a cozinha, limpar os vidros cá de casa. Podia estar o dia todo a descrever cenas aborrecidas mas não me apetece nem pensar nelas! 

 

Agora, para outras distracções e rambóias conseguimos sempre um espacinho na nossa agenda vazia.

Incrível. Como é que é possível?

Vejam só ... temos sempre disponibilidade para conhecer um restaurante novo, para um convívio de amigos, viajar.... Podia descrever ao pormenor as cenas top mas também tem o seu lado duro, sendo que não as consigo fazer! 

 

Desde que fui "empurrada" para casa que consigo dar muito mais valor ao tempo. Tempo este que não tinha quando trabalhava a 30kms de casa. Hoje, com disponibilidade total e imediata (como se diz na merda das entrevistas de emprego já de calças na mão), percebo o quão é importante a disciplina e o rigor na gestão do meu tempo, que até há pouco estava nas mãos de um chefe com quem em nada me identificava.

Hoje essa distribuição horária é feita por mim de maneira a conciliar com a vida de mais 4 pessoas. Parece fácil e é, basta adquirir método de trabalho e organização. Até aqui tem dado certo. Apesar de enfrentar alguns dias do demo em que só apetece fugir ou voltar a ser criança.

Solução? não temos tempo para pensar nela. 

 

Precisamos de tempo para pensar. Esse grande luxo nos dias de hoje.

Actualmente tudo passa por nós a uma velocidade estonteante. Desconfio que tenhamos verdadeiramente tempo para pensar, saborear e absorver o que importa e mandar fora o que nada nos acrescenta. 

O meu tempo, que agora também passa por vir aqui, está a ganhar, aos poucos, um espaço e uma dimensão até aqui inexistentes. E está a fazer toda a diferença pois tem vindo a ser bom conselheiro. 

 

Ahhh, nem de propósito... O Vitinho faz hoje 30 anos. A sério? 30 anos? 

Como o tempo passa depressa...